The Fatman and the Unbalance

The Fatman and the Unbalance

by

Preston Kullingher

snorlax_by_scrawlingafterlife-d5nyg5k

I was once in a diner eating a good hamburger, those that clog up their veins of fat stuffed with everything that is not good and goes a long way from being healthy, when a pair of ugly, nerdy-looking university geeks started a conversation that seemed more like a PhD thesis.

The question of fat as you know it associated with people’s eating habits and … [blah, blah]

I understand and I also think … [more blah, blah]

– Perfectly. If people did physical activities …

And I eating and listening to all that bullshit. At one point I even gave them the reason because their reasoning was perfectly logical, rational. But the taste of that juicy burger dripping oil from bacon mixed with cheddar cheese and that BBQ-flavored meat made me irrationally believe that none of it would be worth it. If one day we will all die, that is of something: heart, lung, cirrhosis, overdose. I was already choosing my way: I drank a lot and ate just delicious fatty foods.

The concentrations of trans fats present in this hamburger are …

And sodium then, we dont even talk.

At a certain moment when I could not stop listening again one of them said:

The big problem is the imbalance. The fat man is an unbalanced person.

I heard a knock at the table and a big guy passed me almost taking me along in his trajectory of so great it was. He stopped in front of tables of the two.

– Who’s the unbalanced one here, huh?

The two were out of action. Apparently their conversation was being heard by more people in the diner.

– I, I, I was n-ot talking about you and …

Oh Come on? I’m fat, huh? So you were referring to me, yes.

Lo-ok, my friend, I d-ont want confusion, and …

Oh, you like being skinny, are not you? And now you runs away from a fat unbalanced as you yourself said.

The imbalance I referred to was about eating more than exercising. Eating too much. Eat a lot, you know? There was no balance between eating and exercising.

Oh, so you think that I don’t exercise? That I’ve only eaten my whole fucking life like a fucking glutton?

– I was not talking about you, I, I was in a general s-ense.

Look here man I’m not a damn of an unbalanced gluttonous understood.

At that moment the fat man slapped the table spreading trays of food with sandwich and sodas everything over the other nerd who was silent, motionless, petrified with fear. The fat man continued.

– I’m not an unbalanced. I’m not an unbalanced

He looked like a huge baby. He looked like a dumb. From the face and clothes he wore, it was even said that he might have been a completely fucking crazy, or that he had only a mental retardation, this one in which the guy is twenty with a mind of six. His face was very red, like a tomato, it looked like it was going to explode. At that moment the fatman slapped the nerd’s face with those elephant hands that his glasses flew away. His face flew away, almost crashing to the ground. The other nerd, who had stood still until then, suddenly jumped off the bench and won the street with long strides. The store clerks, two skinny girls, and a young gay with bottle-bottomed glasses, soon tried to hide behind the counter. The poor nerd was alone. Man’s fight against nature, the greatest against the smallest, the squirrel against the bear.

That’s when I got bored with all that situation. Cum! A man can no longer eat his burger in peace. So what the fucking nerd said something about the fat guy? We’re in America damn, anyone says whatever want anybody. Unless this anybody has a gun. I got up and went towards them.

Hey, piggy, leave the guy alone. He already had what he deserved.

Do not mess with it, you asshole. This is none of your business.

Look here baby elephant you will not hit him and no one else understood. You finished your show. Go back there to your “Bigburger”, with your “Bigpotato, with your “Bigsoda, because all yours is big even.

I told to tease. I always liked a good fight, I never ran away from one, but fight with that guy, Oh God! That guy needed a bariatric surgery as soon as possible.

– You bastard, now you’re going to die!

As he took two steps, I pushed him hard. His body leaned back, his fat arms tried to hold on to something or else he thought he was a bird, it was flapping wings, his feet were together so that it was inevitable to fall. All that lump touching the floor, the soft belly moved a little, the little head could not be seen from the angle I was in. It should have been an incredible video seen from SuperCamera.
The nerd rose from the floor massaging his right cheek, but in fact he had to massage the entire right side of the face where the five fingers of the fat man could be seen perfectly.

– Thanks, buddy.

– Fuck off. I did not do it for you. Get the hell out of here before I bust your face.

He ran and jumped over the fat man on the floor trying to get up at all costs but due to the weight could not. He moved his arms and legs in vain. He did not have the strength to lean his arms on the floor and sit down. It looked like a giant Galapagos turtle upside down. That sad. I knelt down next to him.

– That’s pathetic, chubby! You even can not get up alone.

– I’m going to kill you man, I swear to God.

– Bullshit. Look at you, it looks like a beached whale. You make me angry, man, with all that fat underneath the skin, all that stink of fat accumulated years. You’re the worst in this country. Because of people like you that food prices go up, the price of beer rises, cars get more spacious and more expensive, there is hunger in the world, wars, all because of gluttons like you.

– When I get up from here I’m going to break  you in the middle, asshole.

– Hey, you know the ugly nerd was right. You obese people have no balance at all. Ha, Ha, Ha.

I left there the way I entered, no better or worse. It did not make me happier or sadder or more confident. Perhaps more dubious with certain dietary, physical issues. I was overweight, my belly felt beneath my loose blouse. Maybe it was time to practice more exercises like snooker, bowling, poker. Maybe I will lower the intake of carbohydrates and fats, but beer will never. This one will never slow down or stop.

O Gordo e o Desequilíbrio

O Gordo e o Desequilíbrio

Preston Kullingher

snorlax_by_scrawlingafterlife-d5nyg5k

Certa vez eu estava em um lanchonete almoçando um bom hambúrguer, desses que entopem suas veias de gordura repleto de tudo que não presta e passa longe de ser saudável, quando uma dupla de engomadinhos feios, com cara de nerds universitários começou uma conversa que mais parecia uma tese de doutorado.

–  A questão da gordura como você sabe tem haver com os hábitos alimentares das pessoas e… [blá, blá]

–  Compreendo e também acho que….[mais blá, blá]

– Perfeitamente. Se as pessoas fizessem atividades físicas…

E eu comendo e ouvindo toda aquela baboseira. Em um certo momento cheguei até dar razão a eles pois o raciocínio de ambos era perfeitamente lógico, racional. Porém, o sabor daquele hambúrguer suculento que pingava óleo do bacon misturado com queijo cheddar e aquela carne com sabor de churrasco me fazia acreditar, irracionalmente,  que nada daquilo valeria a pena. Se um dia vamos todos morrer, que seja de alguma coisa: coração, pulmão, cirose, overdose. Eu já estava escolhendo o meu modo: bebia bastante e comia apenas porcarias gostosas.

As concentrações de gordura trans presente nesse hambúrguer são…

– E de sódio então, nem se fala.

Em um certo momento em que não consegui deixar de ouvir novamente um deles soltou:

O grande problema é o desequilíbrio. O gordo é uma pessoa desequilibrada.

Eu ouvi uma batida na mesa e um cara grandão passou por mim quase me levando junto em sua trajetória de tão grande que era. Parou em frente a mesas dos dois.

– Quem é o desequilibrado aqui, ham?

Os dois ficaram sem ação. Pelo visto a conversa deles estava sendo ouvida por mais pessoas na lanchonete.

– Eu, eu, eu não e-stava me r-eferindo a você e…

– Qual é? Eu sou gordo, não sou? Então você estava se referindo a mim sim.

– Olha amigo eu não quero confusão e…

– Ahn, gosta de ser magrinho saudável não é? E agora foge de um gordo desequilibrado como você mesmo falou.

– O desequilíbrio que eu me referi foi com relação a comer mais do que fazer exercícios físicos. Comer em demasia. Comer demais entende? Não houve um equilíbrio entre comer e se exercitar.

– Ah, então acha que eu não faço exercícios? Que eu só fiz comer a minha vida inteira como um maldito glutão?

– Eu não estava f-alando de v-ocê, eu, eu f-alei em um s-entido geral.

– Olha aqui cara eu não sou um maldito de um glutão desequilibrado entendeu.

Nesse momento o gordão deu um tapa na mesa levando as bandejas de comida, esparramando tudo em cima do outro nerd que estava calado, imóvel, petrificado de tanto medo. O gordão continuou.

– Eu não sou um desequilibrado. Eu não sou um desequilibrado.

Ele parecia um bebezão enorme. Tinha cara de panaca. Pelo rosto e pelas roupas que usava até dava para dizer que talvez fosse doido de pedra mesmo, ou que tivesse apenas um retardo mental, tipo desses em que o cara tem vinte anos com mente de seis. Seu rosto estava muito vermelho, como um tomate, parecia que ia explodir.  Nesse momento o gordão deu-lhe uma tapa com aquelas mãos de elefante que os óculos do nerd voaram longe. A cara dele voou longe, quase batendo no chão. O outro nerd, o que havia ficado imóvel até então, de repente saltou do banco e ganhou a rua com passadas largas. Os funcionários da loja, duas meninas magrelas e um jovem com óculos fundo de garrafa, trataram logo de se esconder atrás do balcão. O pobre nerd estava sozinho. O combate do homem contra a natureza, o maior contra o menor, o esquilo contra o urso.

Foi aí então que eu me chateei com toda aquela situação. Porra! um homem não pode mais comer seu hambúrguer em paz. E daí que o nerd de merda falou mal do gordão? Estamos na América droga, qualquer um fala o que quiser do outro. A menos que este outro tenha uma arma. Me levantei e fui na direção dos dois.

– Ei gordão, deixa o cara em paz. Ele já teve o que merecia.

– Não se meta nisso seu cretino. Isso não é assunto seu.

Olha aqui bebê elefante você não vai mais bater nele e nem em ninguém entendeu. Acabou o seu showzinho. Volta lá pro seu “Bigburguer”, com sua “Bigbatata”, com seu “Bigrefrigerante”, porque tudo seu é big mesmo.

Falei para provocar mesmo. Sempre gostei de uma boa briga, nunca fugi de uma, mas brigar com aquela cara, meu Deus! Aquele cara precisava era de uma cirurgia bariátrica o mais rápido possível.

– Seu miserável, agora você vai morrer!

Nem bem ele deu dois passos, eu empurrei ele com toda força. O corpo dele se inclinou para trás, os braços gordos tentaram segurar em alguma coisa ou então ele pensou ser um pássaro, estava batendo asas, os pés estavam juntos de forma que foi inevitável a queda. Toda aquela banha tocando o chão, a barriga mole se movimentou um bocado, a cabeça pequenininha não dava para ser vista do ângulo em que eu estava. Deveria ter sido um vídeo incrível visto da Supercâmera.

O nerd se levantou do chão massageando a bochecha direita, mas na verdade ele tinha que massagear todo o lado direito do rosto em que via-se perfeitamente os cinco dedos do gordo.

– Obrigado amigo.

Cai fora seu fedorento. Não fiz isso por você. Se manda daqui antes que eu te arrebente a cara.

Ele saiu em disparada e pulou por sobre o gordo no chão que tentava a todo custo se levantar mas devido ao peso não conseguia. Ele movia braços e pernas em vão. Ele não tinha forças para apoiar os braços no chão e se sentar. Parecia uma tartaruga gigante de Galápagos de cabeça para baixo. Que triste. Me ajoelhei perto dele.

Que patético hein gordão? Não consegue se levantar.

Eu vou matar você cara, eu juro por Deus.

Vai matar nada. Olhe pra você, parece uma baleia encalhada. Você me enoja, cara, com toda essa gordura por baixo da pele, todo esse fedor de gordura acumulada de anos. Você é o que há de pior nesse país. Por causa de pessoas como você que os preços dos alimentos sobem, o preço da cerveja sobe, os carros ficam mais espaçosos e mais caros, há fome no mundo, guerras, tudo por conta de glutões como você.

Quando eu me levantar daqui eu vou acabar com você seu cretino.

– Ei, sabe que o nerd feio tinha razão. Vocês obesos não tem equilíbrio nenhum. Ha, Ha, Ha.

Saí de lá do mesmo jeito que entrei, nem melhor nem pior. Aquilo não me fez mais feliz nem mais triste, nem mais confiante. Talvez mais duvidoso com certas questões alimentares, físicas. Eu estava acima do peso, a barriga notava-se por baixo da blusa frouxa.  Talvez fosse o momento de praticar mais exercícios como sinuca, boliche, carteado. Talvez eu diminua mais a ingestão de carboidratos e gorduras, mas a cerveja nunca. Essa nunca vou diminuir ou parar.

 

Dias Nublados

Em dias nublados eu vivo mais

O sol não é meu amigo

me afasto sempre que posso

de seus raios penetrantes

Facas afiadas rasgando a carne

dilacerando a mente

Não  consigo pensar

escrever

A

            go

  ni

           a

  e

su  or

          frio

em gotas

percorrem minha espinha

e meu rosto

em lágrimas

quentes

Evaporo

e condenso

nas nuvens

fluído

como a água

Return

Return

by

Preston Kullingher

 

 

Married three years and even before the famous ‘crisis of seven years’ the relationship already showed signs of wear, largely because of her faults. She knew it. She had married very young, impetuously, dramatically, and hastily, but just realized this after her first child, born a year and a half later. She was nineteen. He was twenty-nine yo. She was one of those who could not stay at home at night, a party girl, There was always a party to go with friends, and there were many friends she had. After the son and responsibilities were all gone, she could no longer accompany the group at parties.

She was tired of your life, whenever she looked in the mirror she saw an old woman, and in fact after pregnancy and lactation she appeared to have more than nineteen: hers breasts were withered, butt absent, some dark circles under eyes, discolored hair, body Fanciful. She cried.

Got a job with an old friend, on call center. She made new friends, stretched out in the bar after work, caught some hungry male looks, and returned them. She felt rejuvenated at every exchange of looks, seventeen again. The conjugal sex was scarce and so dull, despite the effort of the other, it was not like before, there was no enjoyment just pretense. The exits with the new friends were causing problems at home, always arrived in the morning a little drunk and with the sandals in hand and it was that scene: He sculpting her, she sculpting him.

And then Paiva came and did not mind her marital problems. He saw an easy prey, understood the layout – conversations, telephone exchanges, the exits with the rest of the staff in the bar. And Paiva had what he wanted. And she fell madly in love, it was one time alone. Paiva fucked heavily. He was good and that was all he knew how to do right. She was in the clouds, had not felt such great pleasure in a long time. Just thought about it all day. Paiva used and abused and how every trickster came out, escaping through the cracks. One month was the time that lasted. She already confided to her friends that would split up, that now she had gotten a real man (Paiva, but she did not say who, as if her friends did not know !). She would take everything she could from her husband: pension, house, car. He did not give a damn for him. She blamed him for time lost.

Paiva was already in conversation with a brand-new blonde, fresh, skinny like her, who had arrived in a few weeks. Hers friends confessed that he was a bastard and that everyone knew it from experience. She was disillusioned with Paiva but not with the new life that envisioned: a single and independent mother with a house and a car! She knew there would be no missing suitors. She had tasted the sweetness of life, now she wanted to smear himself. She did not want to cling to anyone again.

The always malicious fate made her husband fall hard in the middle of the room one day in the morning at breakfast, after the trivial conversations at the table.

In the hospital they diagnosed stroke, a vein that irrigates the brain was almost closed. If there were regrets on her part I don’t know, maybe she did not have time to think about it, it was just pampering with her husband. She no longer wanted him as badly as before, she did not leave the bedside all the time he was hospitalized; It was only attention to the little boy: she gave baby food to him, controlled the medication with the nurses, held it in his hand (Duckling, that’s how she called him affectionately ?!) even in a hospital bed and seeing the husband in that state felt a deep excitement for him. She cried inwardly for thinking she could have lost him: ‘‘ Such a good husband, Lord. An exemplary father. “ Just compliments.

The husband returned home and his new wife. There were no more households, arguments, sneaky arrivals at dawn, he was pampered night and day, and he was enjoying it. It took longer than expected to return to the old form of before. One can not say whether because of the sequels of stroke or the aftermath of a new life full of pampering. Everything was given to him in hand. He no longer rose from the sofa for nothing else. Always cold beer, football on the tv. And he complained when things were not to his liking. The confusion took some time but returned with all the strength of before, the bar with friends after work, exchanges of looks, as well as the desire for separation; The Paiva! Yes, the Paiva, who was going through a period of drought in his always irrigated lands, started to chat again, soft talk in his ear.

And it reminded me that the eternal return in Nietzsche seemed to me an adequate philosophical theory.

Retorno

Retorno

Preston Kullingher

 

Casados a três anos e antes mesmo da famosa ‘crise dos sete anos’ o relacionamento já dava sinais de desgaste, em boa parte por culpa dela. Sabia disso. Havia se casado muito nova, de forma impetuosa, dramática e precipitada, mas só veio perceber depois do primeiro filho, nascido um ano e meio depois. Ela com dezenove anos. Ele com vinte e nove anos. Era daquelas que não conseguia ficar em casa a noite, sempre havia uma festa, uma balada para ir com os amigos, e eram muitos amigos que tinha. Depois do filho e das responsabilidades todos sumiram, ela já não podia acompanhar a turma nas festas.

Cansou da vida que levava, sempre que se olhava no espelho via uma velha e de fato depois da gravidez e da lactação já aparentava ter mais do que dezenove: os peitos estavam murchos, bunda inexistente, algumas olheiras visíveis, o cabelo descolorido, o corpo sanfonado. Chorava.

Conseguiu um emprego com uma amiga das antigas, setor de call center. Fez novos amigos, esticava no barzinho depois do trabalho, percebia alguns olhares famintos masculinos e retribuía-os. Sentia-se rejuvenescida a cada troca de olhares, dezessete de novo. O sexo conjugal estava escasso e tão sem graça, apesar do esforço do outro, não era como antes, não havia gozo apenas fingimento. As saídas com os novos amigos estava causando problemas em casa, sempre chegava de manhã um pouco bêbada e com as sandálias na mão e era aquela cena: Ele esculhambando ela, ela esculhambando ele.

Aí surgiu o Paiva, que não tinha nada com o fato dela ser casada nem tampouco com as brigas que estava tendo. Viu nela uma presa fácil, compreendeu o layout que lhe apresentava e foi se chegando, conversinhas, trocas de telefone, as saídas com o resto do pessoal no barzinho. E o Paiva teve o que quis. E ela se apaixonou perdidamente, bastou uma vez só. O Paiva fazia gostoso. Era craque nisso e era só isso que sabia fazer direito. Ela estava nas nuvens, fazia tempo que não sentia um prazer tão grande. Só pensava nisso o dia inteiro. O Paiva usou e abusou e como todo malandro foi se saindo, escapando pelas frestas. Um mês foi o tempo que durou. Ela já confidenciava para as amigas que iria se separar, que não aguentava mais, que o fulano era isso, que o fulano era aquilo, que agora tinha arranjado um homem de verdade (Paiva, mas não dizia quem, como se as amigas não soubessem!). Iria tirar tudo o que pudesse do marido: pensão, casa, carro. Não estava nem aí para ele. Culpava-o pelo tempo perdido.

O Paiva já estava de conversinha com uma loirinha novata, novinha, magrinha igual a ela, que havia chegado a algumas semanas. As amigas lhe confessaram que ele era um safado e que todas sabiam disso por experiência própria. Desiludiu-se com o Paiva mas não com a nova vida que vislumbrava: mãe solteira, independente, com casa própria e de carro! Sabia que não havia de faltar pretendentes. Havia provado do doce da vida, agora queria se lambuzar. Não queria mais se apegar a ninguém novamente.

O destino sempre malicioso fez com que um dia pela manhã, na hora do café, após as conversas triviais à mesa, o marido caísse duro no meio da sala.

No hospital diagnosticaram AVC, uma veia que irriga o cérebro estava quase fechada. Se houve remorsos ou arrependimentos da parte dela não sei, talvez não tivesse tempo para pensar nisso, era só mimos com o marido. Já não o queria mal como antes, não saiu de lado da cama durante todo o tempo em que ele passou internado; o filho havia deixado com sua mãe. Era só atenção para o maridinho: dava comidinha na boca, controlava a medicação junto com as enfermeiras, segurava na mão dele (Chaveirinho, era assim que o chamava carinhosamente?!) mesmo em um leito de hospital e vendo o marido naquele estado sentiu uma excitação profunda por ele. Chorava internamente por pensar que podia tê-lo perdido: ”Um marido tão bom, Senhor. Um pai exemplar”. Só elogios.

O marido retornou para casa e para sua nova mulher. Não havia mais brigas domiciliares, discussões, chegadas sorrateiras de madrugada, era paparicado  noite e dia, e estava gostando. Demorou além do previsto para voltar a velha forma de antes. Não se pode dizer se por conta das sequelas do AVC ou por sequelas de uma vida nova repleta de mimos. Tudo lhe era dado em mãos. Já não se levantava do sofá para mais nada. A cerveja sempre gelada, o futebol na tv. E reclamava quando as coisas não estavam do seu agrado. As confusões tardaram um pouco mas retornaram com toda a força de antes, o barzinho com as amigas após o trabalho, as trocas de olhares, assim como o desejo de separação; o Paiva! Sim, o Paiva que passava por um período de seca em suas terras sempre irrigadas, voltou a puxar papo, conversinha mole no ouvido.

E isso me fez lembrar que o eterno retorno em Nietzsche me pareceu uma teoria filosófica adequada.

Unfortunately

Unfortunately  I wrote the ugly

In ornate letters

[faking beauties]

I wrote the pain with a smile

and the tears dried on the face

not staining the paper

Unfortunately I wrote the loss

not losing anything

I wrote the anguish that became calm

at the end of a verse

and fear, trust

but the uncertainties … [persist]

Unfortunately sadness was constant

I wrote about loneliness in crowds

that left me [even more] alone

and the memories, forgotten

and missing did not make me [really] lacking

Unfortunately I did not wrote about love.♥

and what I have left is to seek happiness

without knowing where

Unfortunately

Infelizmente

Infelizmente eu escrevi o feio

em letras ornadas

[falseando belezas]

Escrevi a dor com um sorriso no rosto

e o pranto secou na face

não manchando o papel

Infelizmente eu escrevi a perda

não perdendo nada

Escrevi a angústia que se tornou calmaria

ao final de um verso

e o medo, confiança

mas as incertezas… [perduram]

Infelizmente a tristeza era constante

Escrevi sobre a solidão em multidões

que me deixavam [ainda mais] só

e as lembranças, esquecidas

e a saudade não me fez [realmente] falta

Infelizmente não escrevi sobre o amor

e o que me resta é buscar a felicidade

sem saber onde

Infelizmente

The Panga’s Fillet

by

Preston Kullingher

She wanted to eat seafood. I wanted to stay home. We got into the car and set off towards the rich part of town. I, like a courtship, she on the gravy train.
The French restaurant chosen by her on the advice of a friend was not the most expensive, the second most expensive.
Oh, accepts card! and I can pay by installments. 🙂
The menu looked like my wedding album, dozens of dishes, all with weird names. Is this written in French or Italian? For me it was all fish or shrimp, which for me is also fish. Is shrimp fish? What is shrimp?
She looked at the menu concerned. I doubted he was understanding something. He turned the pages, ran his finger through the pages, went to the end, returned to the beginning. Finally said:

Baby! I’ll eat what you will eat.

Ha, I knew it. She would not dare. The language barrier was louder. I won. I will be able to choose the dish, the future of my salary was in my hands. A wrong choice and the next month would be just to pay this dinner. I needed to concentrate, to meditate on the names, in the French language, the most stubborn should be the most expensive or the smallest as well as the perfumes? I was impatient. The waiter expected indifferent. She looked at me, he looked at me, I looked at the menu. The distress grew. It was almost sweating, I had to make up my mind one last glance. Eeny, meeny, miny, mo… I closed my eyes and pointed, the clumsy voice.

This. – I waited for the waiter’s reaction, nothing.

– What’s the wine, sir? – He asked.

Wine? Wine! Wine, oh yes, the wine. Look! The custom of drinking soda. I forgot that in those places one drinks wine.

– A port wine, please!

What’s the wine and the vintage?

Any suggestions on the house? I learned this on television show in an etiquette program.

The entrances came, the main dish (so little!), The second dish and, just look, a third dish, it was a feast, I felt like a king. At this point my mood had improved a lot, perhaps because of the wine glasses coming and going, so much I was asking for dessert, without worrying about the bill that was so high for my standards of civil servant. Satisfied with the delightful orgy that a beautiful feast offers, the time has come to ask for the outstanding balance of the meal.

Baby! What‘s up? Are you feeling all right? You ate too much didnt you? You up until now was just so excited in the restaurant, was just getting in the car … What bug bit you

A three-digit bug had bit me.
In the apartment, still face-tied, as usual lay in my hammock and picked up the magazine to read; The woman getting ready to go to sleep (because a woman gets ready to go to sleep, see!), I went through the magazine to the end where there was a recipe for cheap fish, which is found in every supermarket, with a very easy sauce to make with milk cream. The ingredients were all only fifteen bucks. It’s strange, that dish seemed familiar, the drawing, I guess ….
A friend of the apartment next to ours told me the other day that heard a shrill cry, as if in pain, He thought that was coming from my apartment, and I answered vaguely that I did not remember hearing any screams.

Black out.
When I saw on the recipe page the name of the dish in small French letters below to “PANGASIUS FILLET TO WHITE SAUCE”. I don’t remember any more after this.

O Filé de Panga

O FILÉ DE PANGA

por

Preston Kullingher

 

Ela queria comer frutos do mar. Eu queria ficar em casa. Entramos no carro e partimos rumo a parte rica da cidade. Eu, como em um cortejo, ela no trem da alegria.

O restaurante francês escolhido por ela por indicação de uma amiga não era o mais caro, era o segundo mais caro.

Ah, aceita cartão! Alegrei-me.

O menu parecia meu álbum de casamento, dezenas de pratos, todos com nomes estranhos. Isto aqui está escrito em francês ou italiano? Para mim era tudo peixe ou camarão, que pra mim também é peixe. Camarão é peixe? O que é o camarão?

Ela olhava para o menu interessada. Duvidei que estivesse entendendo alguma coisa. Virava as páginas, passava o dedo pelas páginas, ia para o fim, voltava para o início. Por fim disse:

– Amor! Vou comer o que você for comer.

Rá, eu sabia. Ela não teria coragem. A barreira do idioma falou mais alto. Venci. Vou poder escolher o prato, o futuro do meu salário estava em minhas mãos. Uma escolha errada e o próximo mês seria só pra pagar esse jantar. Precisava me concentrar, meditar nos nomes, na língua francesa, os mais estrambólicos devem ser os mais caros, ou será os menores assim como os perfumes? Já estava impaciente. O garçom indiferente ao lado da mesa . Ela olhava para mim, ele olhava para mim, eu olhava para o menu. A aflição crescia. Estava quase suando, tinha que me decidir, uma última olhada rápida. Uni-duni-tê, fechei os olhos e apontei, a voz embargada quase inaudível

– Vou querer este peixe aqui.Esperei a reação do garçom, nada.

– Qual o vinho, senhor? Perguntou.

 

Vinho? Vinho! Vinho, ah sim, o vinho. Veja só o costume do refrigerante, me esqueci que nesses lugares se bebe vinho.

 

– Um vinho do porto, por favor!

– Qual o vinho e a safra?

– Alguma sugestão da casa? – Aprendi essa pela televisão num programa de etiqueta.

 

Vieram as entradas, o prato principal (tão pouquinho!), o segundo prato e, olhem só, um terceiro prato, era um banquete, me sentia um rei. Nesta altura meu humor havia melhorado bastante, talvez por conta das taças de vinho que iam e vinham, tanto é que estava a pedir sobremesa, sem me preocupar com a conta que estava altíssima para os meus padrões de funcionário público. Satisfeito com a orgia prazerosa que um belo banquete proporciona, havia chegado a hora de pedir o saldo devedor da comilança.

 

Amor o que é que você tem? Tá se sentindo bem? Comeu demais não foi? Você até agora a pouco estava tão animado no restaurante, foi só entrar no carro… Que bicho te mordeu?

 

Um bicho de três dígitos havia me mordido.

No apartamento, ainda de cara amarrada, como de costume deitei em minha rede e peguei a revista para ler; a mulher a se arrumar para dormir(porque mulher se arruma pra ir dormir veja só!). Folheando a revista cheguei ao final onde havia uma receita de peixe brasileiro, baratinho, que se encontra em todo supermercado, com um molho bem fácil de se fazer com creme de leite. Os ingredientes todos não passavam de vinte reais. A princípio estranhei, aquele prato me parecia familiar, o desenho sei lá….

Um amigo do apartamento vizinho ao nosso me disse no outro dia que ouvira um grito agudo, como de dor, acreditava vir de meu apartamento ao qual respondi vagamente de que não me lembrava de ter ouvido grito nenhum.

Apaguei.

Quando vi na página da receita o nome do prato em francês em letras miúdas abaixo de “FILÈ DE PANGA AO MOLHO BRANCO” nada mais lembro após isto.