Face off

(The revenge of the patients)

by

Preston Kullingher

 

I went to the doctor early in the morning. Didn’t want to waste time. The office was empty so I was the first customer. I came in and saw him sitting, totally relaxed, moving his phone, laughing.

Doctor, I want to change my face!

He frowned, wondering the question maybe. There was no reaction. A few seconds after a long silence, he looked at me thoughtfully and I super shaken rubbing my sweaty hands on pants all the time.

 – Did you mean the face?

Yeah! The face… face… – With the right hand I made a circular movement as if wiping  with a towel.

What do you want to change specifically?

All! I want to change everything, I’m tired of myself, you know? Every day I look in the mirror and see the same tired old goat.

I really was a rag. It had never been pretty to tell the truth. I had huge pimples that took almost all my face and that finally left scars making me look like a passion fruit crushed by a fat man’s foot. The nose was big, imposing, that in adolescence gave me the affectionate nickname The Shark given by colleagues. Big ears as a family heirloom. They were bigger as a child but there the face got fat, and everything else, and today they seem normal (understand, do not call so much attention, there are worse things!). My mouth has the normal size, the problem is the lips, if I can call it lips, they are more for horse gums, the bass ones weigh so much that it generated a curvature, a little cavity, almost covering the chin that is small and hard, like boxer. Eyes black, circular, always wide open, only the left that is a little low, as if blinking at someone. When a person has a defect in the face – a low eye, squint or cockeyed; Deviating septum in the nose, a wart on the forehead, a sign on the tip of the mouth, it causes discomfort to talk to someone face to face because the other has a tendency, a need, almost an addiction to stare at the aberration we have and we look To their eyes and we see that they only look at the defect and then try to disguise turning their faces, straightening hair and they try in vain to look to the sides, to our clothes but, I gotcha, are already looking again. It’s kind of sick for us and them.

Changing the whole face is so much surgery…

I can handle it.

– … complicated...

You’re good! I’m sure you’ll handle it.

… and has a high cost.

I realized he wanted to discourage me from doing it. Maybe He didn’t want to, had not gone with my face. Maybe it was going to be a lot of work and he was one of those lazy people who like small services. From grain to grain the chicken fills up, in this case, the pocket. Or maybe he thought I was crazy. Looked, but I wasn’t. Really I was dressed badly: dirty jeans, a little old, black shirt with the faded print of the goofy and that his long dumb face, a blue allstar, short beard, big nails and a little dirty and not to mention that I didn’t stop wiping sweaty hands on the pants frantically. I decided to trouble with him.

You think I can’t pay?

No, that’s not what I mean, I... – He hesitated. I could see the fear in his voice, he was embarrassed, he stammered. I decided to go with everything.

You think I can not pay, huh? That I’m a fucking poor bastard, hard-working -class that cleans your waste on the streets every day. You’re rich pig. Snob. Son of a bitch!

What is it? No, absolutely …

Don’t come with me not your wretch. – I screamed – I hate you.

He motioned to push the button and call the secretary.

– Ahn, Ahn, don’t even think about it – I said, getting up from the chair and heading toward him, skirting the table. – Or you’re done. Coward!

He stiffened in his chair, hard as a dead tree. Her eyes bulging out at me. Terrified. The relaxed posture of before, owner of the situation, no longer existed. Hands resting on the arms of the chair.

I picked up the answering machine and yanked the wire. With two long strides behind, always looking at him, I reached for the door and closed it with the key. Ready now it was just the two of us. There was a murderous gleam in my gaze, and along with his physiognomy and clothes, I was a perfect madman. I approached him again, slowly.

What are you going to do with me? Please, I have a wife and daughters …

– Bullshit! Where are the pics frame?

None. I had noticed. Caught him in the lie.

– Do you like to lie, doctor?

No… please…I.

Don’t lie to me! – I shouted, clapping my hand closed on the table.

The secretary heard the noise and came to the door to check. I heard her turn the door knob.

Doctor? Is everything okay over there?

I looked to him. He understood the message.

– All right, Christina. Everything’s under control.

I nodded. Good boy.

– So doctor you think that I can’t pay for your shit surgery?

– That’s not what I meant. I just said it was expensive.

– Oh! … you think I’m poor?

– No, no … – The words were barely out of his mouth.

– You think I’m crazy? There is?

– I … I … don’t…know…no.

– Oh, You know.

– are you?

– Am I? How dare you…

– I’m sorry, I’m sorry, Oh my God!

– Do you believe in God, Doctor? Are you Catholic?

– Yes … yes … Adventist …

– Ohh … Saturdays are for the Lord, Huh? You think you’re better than Catholics by following the Bible literally.

– No, I just …

– No, no, yes, yes, just … always this litany. I’ll tell you what you are. You’re a rich pig, a cretin liar. You think be better than the others in your designer suit and half million car, your blond wife with a huge white tail and house on the outskirts of town. You’re so good to live in this smelly city.

I slapped him with the outside of my right hand, my strong hand. His face went all the way to the left side and he immediately took his hand as if it burned. His right cheek was red and as it was white it looked as if blush had passed. Her mouth was already very red by nature, as if he were in lipstick. A damn well-fed, rich, cholesterol-free or anemic.

He was not going to punch him, although it was tempting to strike blows against the bourgeoisie, I was not a criminal. I was just another unemployed, unlucky worker, drowned in drinks and pills, depressed and with low self-esteem. Mentally unstable. That did not give a fuck to several months and you can’t imagine the evil that makes so much time with the poison inside the body. Dries, stiffens, enters the bloodstream going straight to the brain. Cumbrain.

Instinctively, I reached into my belt and began to loosen my pants. I was walking towards him with my lunatic face. He was looking at me and at the trousers that were descending in fear.

– What are you going to do?

– Shut up, bitch!

– What are you going to do with me? – Screamed

– Come on. Open that fucking mouth.

– No, please…

– Go on bitch …

He tries to get up from his chair in vain. Too stunned to sketch a reaction. I approached him already with the cock outside, swinging like a pendulum.

 

 

– Suck. Oh, and don’t you dare bite … otherwise you’re done.

No, please … – he tried to cry but not could. He was mentally weak.

I beat with the cock on both sides of his face. Slid like a painter from the forehead to the chin. Up and down. Then would hit his cheek again. If it had been a palette of paints, it would have been a beautiful Impressionist painting.

He could not stand the pressure and fell out of his mouth. He sucked in disgust, as if he were going to vomit at any moment. Sometimes he would choke (as I pulled his face against my waist and made him snatch everything up to the stalk). I kept pulling him by the hair, tac, tac, tac, made the sound of his forehead crashing against my belly. It tasted good, it sucked like the Rodeo Drive dolls.

I spit the whole fucking thing inside his mouth. He still tried to remove but I didn’t let him. I held him tight. He wanted him to swallow. Full and complete demoralization. The bourgeoisie finally swallowing up the waste of the proletariat. I pulled away. He fell to the floor on four. Spitting, crying, trying to vomit. The collar open, the tie drenched. He crawled across the floor.

My victory. Wasn’t nor more nor less happy, only avenged. Had I taken revenge on every hypocritical society, the president, the Republican senators (who never wanted to do that with a damn Republican senator?), Social security, bar owners, expensive hospitals, and white daddy’s children who became doctors and they fucked each other and the nurses, ER, Grays Anatomy, Private Practice, and all that shit.

Leaves. I greeted the beautiful secretary with a smile and a wink. The face was still there, stained, fallen, crooked, ugly like always.

But I was a new man.

Advertisements

Consulta

(A vingança dos pacientes)

por

Preston Kullingher

 

Procurei o médico logo pela manhã, não queria perder tempo. O consultório estava vazio de modo que fui o primeiro cliente. Entrei e o vi sentado, totalmente relaxado, mexendo no celular, rindo.

Doutor eu quero mudar a minha cara!

Ele fez uma cara feia, estranhou a pergunta talvez. Não teve reação. Uns segundos depois de um longo silêncio, ele me olhando pensativo e eu super agitado esfregando as mãos suadas na calça:

– Você quer dizer o rosto?

– Sim, o rosto, a cara… – Com a mão direita fiz um movimento circular como se o limpasse com uma toalha.

– O que você quer mudar especificamente?

– Tudo! Eu quero mudar tudo, cansei de mim mesmo, sabe? Todos os dias eu me olho no espelho e vejo o mesmo bode velho cansado.

 

Eu estava mesmo um farrapo. Nunca fora bonito pra falar a verdade. Tive espinhas enormes que tomaram quase todo o meu rosto e que por fim deixaram cicatrizes me fazendo parecer um maracujá amassado por uma pisada de um gordo. O nariz era grande, imponente, que na adolescência me rendeu o apelido carinhoso dado pelos colegas de tubarão. Orelhas grandes como herança de família. Eram maiores quando criança mas o rosto engordou, e tudo mais, e hoje parecem normais (entenda, não chamam tanto atenção, há coisas piores!). A minha boca tem o tamanho normal, o problema são os lábios, se é que posso chamar isso de lábios, estão mais para gengivas de cavalo;o inferior pesou tanto que gerou uma curvatura, uma cavinha, quase cobrindo o queixo, que por sinal é pequeno e duro, como de boxeador. Olhos pretos, circulares, sempre bem abertos, só o esquerdo que é um pouco baixo, como se estivesse piscando para alguém. Quando uma pessoa tem um defeito na cara – um olho baixo, vesgo ou estrábico; desvio de septo no nariz, uma verruga na testa, um sinal na ponta da boca – gera desconforto conversar com alguém frente a frente porque o outro tem uma tendência, uma necessidade, quase um vício de olhar fixamente para a aberração que temos e nós olhamos para os olhos deles e vemos que eles só olham para o defeito e tentamos então disfarçar virando o rosto, ajeitando o cabelo e eles tentam em vão olhar para os lados, para a nossa roupa mas, epa, já estão olhando de novo. É algo doentio pra nós e pra eles.

– Mudar toda a face é uma cirurgia e tanto…

– Eu aguento.

 

complicada…

– O senhor é bom! Tenho certeza que dará conta.

 

– …e tem um alto custo.

Percebi que ele queria me desencorajar a fazer. Talvez não quisesse, não tivesse ido com a minha cara. Talvez fosse dar muito trabalho e ele fosse desses preguiçosos que gostam de serviços pequenos. De grão em grão a galinha enche o papo,  no caso o bolso. Ou, talvez, ele achasse que eu era louco. Parecia, mas não era. Realmente eu estava mal vestido: jeans sujo, um pouco velho, camisa preta com a estampa desbotada do pateta e aquela sua cara comprida de abestado, um allstar azul, barba rala, unhas grandes e um pouco sujas e sem falar que eu não parava de limpar as mãos suadas na calça freneticamente.

– Acha que não posso pagar? – Resolvi encrencar com ele.

– Não, não é isso que quero dizer, eu… – Vacilou. Percebi o medo em sua voz, ficou sem jeito, gaguejou. Resolvi entrar com tudo.

– Acha que não posso pagar hein? Que sou um maldito pobre de merda, assalariado, working class que limpa os seus dejetos na rua diariamente. Seu porco rico. Esnobe de uma figa.

– O que é isso? Não, absolutamente…

– Não me venha com não seu miserável. – Gritei – Eu odeio você.

 

Ele fez menção de apertar o botão e chamar a secretária.

– Ahn, Ahn, nem pense nisso – Falei me levantando da cadeira e indo em sua direção, contornando a mesa – Ou acabo com você aqui mesmo.

 

Ele ficou teso na cadeira, duro como uma árvore morta. Os olhos esbugalhados olhando pra mim. Apavorado. A postura relaxada de antes, dono da situação, não existia mais. As mãos imóveis apoiadas nos braços da cadeira.

Peguei a secretária eletrônica. Com um puxão arranquei o fio. Com duas passadas largas pra trás, sempre de olho nele, alcancei a porta e a fechei com a chave. Pronto agora eram só nós dois. Havia um brilho de assassino em meu olhar e, juntamente com a fisionomia e as roupas, era um louco perfeito. Me aproximei dele novamente, devagar.

– O que vai fazer comigo? Por favor eu tenho mulher e filhas…

– Tem nada. Onde estão os portas retratos?

Não havia nenhum. Tinha reparado. Havia pego ele na mentira.

– Gosta de mentir doutor?

– Não, eu…

– Não minta pra mim! – Berrei batendo com a mão fechada na mesa bem próximo a ele.

A secretária ouviu o barulho e veio até a porta verificar. Ouvi-a girar a maçaneta da porta.

– Doutor? Está tudo bem aí?

 

Fiz uma cara pra ele. Ele entendeu o recado.

– Tudo bem Christina. Tudo sob controle.

 

Balancei a cabeça afirmativamente. Bom garoto.

– Então doutor acha que não posso pagar pela sua cirurgia de merda?

– Não foi isso que quis dizer. Eu apenas disse que era caro.

– Ahh… acha que sou pobre?

– Não, não… – As palavras mal saíam de sua boca.

– Acha que sou louco? Hã?

– Eu.. eu…não…sei…não.

– Sabe sim.

 – Você é?

– Sou? Como ousa…

– Me desculpe, me desculpe, Oh meu Deus!

– Acredita em Deus doutor? É católico?

– Sim…sim…adventista…

– Ahh… os sábados são dele, Ham? Se acha melhor que os católicos por seguir a bíblia ao pé da letra.

– Não, eu apenas…

– Não, não, sim, sim, apenas…sempre essa ladainha. Vou te dizer o que você é. Você é um rico, metido, mentiroso. Se acha melhor que os outros nesse seu terno de grife e no seu carro importado, sua esposa loira, com um rabo branco enorme e sua casa nos arredores da cidade. É bom demais para morar nessa  cidade fedorenta.

 

 

Dei-lhe uma bofetada com a parte de fora da mão direita, minha mão forte. O rosto dele foi todo para o lado esquerdo e ele imediatamente levou a mão como se ardesse. Estava com a bochecha direita vermelha e como era branco dava a impressão que havia passado blush. A boca já era bem vermelha por natureza, como se estivesse de batom. Um maldito riquinho bem alimentado, sem colesterol ou anemia.

Não iria socá-lo, apesar de ser tentador desferir golpes contra a burguesia, não era um criminoso. Era apenas mais um trabalhador desempregado, desafortunado, afogado em bebidas e pílulas, depressivo e com baixa autoestima. Mentalmente instável. Não dava uma trepadinha a vários meses e você não pode imaginar o mal que faz ficar tanto tempo com o veneno dentro do corpo. Seca, enrijece, entra na corrente sanguínea indo direto para o cérebro. Porra cerebral.

Por instinto meti a mão no cinto e comecei a afrouxar as calças. Caminhava na direção dele com a minha cara de lunático. Ele olhava pra mim e para as calças que iam descendo atemorizado.

– O que vai fazer?

– Calado

– O que vai fazer comigo? – Berrou como uma criança que prevê a surra que virá.

– Vai. Abre logo essa boca.

-Não, por favor…

– Vai porra…

 

 

Ele tentava se levantar da cadeira em vão. Estava atordoado demais para esboçar uma reação. Me aproximei dele já com o caralho do lado de fora, balançando como um pêndulo.

– Cai de boca. Ah, e nem ouse morder… senão você já era.

 

– Não por favor… – tentava chorar mas não conseguia.

Eu batia com o pau nos dois lados do rosto dele. Percorria como um pintor da testa até o queixo. Indo e voltando. Depois retornava a bater nas bochechas. Se fosse uma paleta de tintas teria saído um belo quadro impressionista.

Ele não aguentou a pressão e caiu de boca. Chupava com nojo, como se fosse vomitar a qualquer momento. Por vezes se engasgava (quando eu puxava o rosto dele de encontro a minha cintura fazendo-o abocanhar tudo, até o talo). Continuei puxando-o pelos cabelos – tac, tac, tac, fazia o som da testa dele se chocando contra minha barriga. Estava gostoso, chupava como as bonecas da Rodeo Drive.

Jorrei toda a porra dentro da boca dele. Ele ainda tentou tirar mas não deixei. Segurei-o com força. Queria que ele engolisse. A desmoralização total e completa. A burguesia enfim engolindo os dejetos do proletariado. Me afastei. Ele caiu ao chão de quatro. Cuspia, chorava, tentava vomitar. O colarinho aberto, a gravata ensopada. Ele se arrastando pelo chão.

Minha vitória. Não estava nem mais nem menos feliz, apenas vingado. Havia me vingado de toda sociedade hipócrita, do presidente, dos senadores republicanos (quem nunca quis fazer isso com um maldito senador republicano?), do seguro social, dos donos de bares, dos hospitais caros e dos filhinhos de papai brancos que se tornavam médicos e transavam entre si e com as enfermeiras, E.R., Greys Anatomy, Private Practice e todas essas merdas.

Saí. Cumprimentei a linda secretária com um sorriso e uma piscadela. O rosto continuava lá, manchado, caído, torto, feio. Mas era um novo homem.

 

Californiano Eunuco

Californiano Eunuco

Preston Kullingher

 

Cansei de trepar contigo – disse.

Bateu a porta do trailer e saiu sem rumo, deixando-a chorando sentada na beira da cama. Procurou cigarros nos bolsos vazios não achando nenhum e isso o deixou mais impaciente e nervoso. Não havia lugar aonde ir. Xingou algumas vezes o vento e as árvores ao redor em um completo acesso de cólera. Quis retornar para o trailer, mas ela ainda estava lá e ele não queria vê-la chorando, aquilo lhe dava uma sensação estranha.

Após um certo período ela cansou de chorar, limpou as lágrimas na colcha meio encardida da pequena cama, tomou uma dose de um resto de tequila em um copo sujo, arrumou os cabelos, respirou profundamente e saiu. Passou por ele no lado de fora sem olhar; Sentado na grama, resignado, como um menino de castigo, vendo-a passar gritou:

 

–  Vai, Vai, sai fora, me deixa em paz sua puta de merda.

Quero foder carne nova.

 

Já dentro de seu carro ela chorou mais, desejou a morte para aquele escroto.

Algo fazia com que agisse como um ser humano desprezível assim que começava a construir sentimentos bons por alguém ou alguma coisa, de imediato queria destruir. Por isso morava em um trailer velho e sujo próximo a uma antiga fábrica de telhas e um matagal; sem nada dentro, apenas alguns maços de cigarro espalhados pelo chão, uma garrafa de bebida dentro da geladeira. Roupas tinha poucas. Como uma jovem de West Hollywood, caucasiana e loira, criada no mais alto luxo havia se envolvido com um tipo como ele? Ele era feio, magro e com barba por fazer, tinha tatuagens nos braços, fedia a cigarro mexicano barato e tequila. Ganhava alguns trocados lavando carros em um lava jato, gastava tudo com bebidas, cigarros e putas.

Ela voltou ao cair da noite mas ele não estava, tinha ido ao bar jogar bilhar. O esperou dentro do trailer onde um odor de sexo se misturava com cigarros e cinzas. Deitou na cama com seu vestido transparente de seda embebedando-se com o cheiro do seu homem. A excitação fora tomando conta então começou uma masturbação rápida e forte, suava, gemia alto, não havia vizinhança para escutá-la; movimentos acelerados, frenéticos, estava literalmente fodendo a si própria. Então parou, exausta. A adrenalina abaixando, os pensamentos retornando aos poucos, olhou-se no espelho, era quase poético, uma poesia Buckowiskyana.

Ele chegou cambaleante e bêbado, quase não se aguentava em pé. Abriu a porta com dificuldade, entrou e caiu na cama. Ela o olhava na surdina, veio devagarinho, subiu em cima, abriu as pernas, roçou um pouco, iniciou uma cavalgada; ele resmungava palavras sem sentido, de pau mole, ela se esforçando para que houvesse uma ereção do outro lado mas nada, no calor da emoção daquela tentativa de prazer constrangedora, ele diz:

Denise…

Uma lágrima escorreu. Não era seu nome.

Levantou-se e foi a cozinha, pegou uma faca de pão, voltou a mesma posição em que estava galopando há poucos segundos:

–  Se não é todo meu, também não vai ser de mais ninguém.

Com um movimento rápido e sem vacilar cortou o pênis. Um uivo alto de lobo rasgou a noite, o sangue se espalhava na cama e ela com o pau na mão saiu do trailer e o jogou longe no matagal.

Pronto estava feito, havia decepado o instrumento que tantas vezes lhe dera prazer. O sangue jorrava e ele gemia, não tinha forças para se levantar, estava bêbado demais. Sangraria até morrer e ela sabia disso e apenas o olhava, sem ação, sem sentimento, segurando a faca ensanguentada observando aquele animal imundo se debatendo como uma galinha degolada.

–  O que você fez, sua puta?

Qual o meu nome?

–  Ahh… Deus… –  gemia alto, soluçava de dor.

–  Diz o meu nome seu porco nojento.

–  Aaahh… me ajuda… me ajuda, eu tô morrendo.

–  Quem é Denise? falou aos gritos – A impassividade de antes

se tornara um sentimento de puro ódio.

Ele se debatia tendo convulsões em cima da cama encharcada de sangue, a mão no local onde antes havia o símbolo da sua masculinidade, o olhar ficando petrificado, resultado do corpo entrando em choque.

Ela voltou a si. Olhou-se no espelho que havia diante da cama, era lindo se não fosse trágico, havia se tornado uma assassina. Soltou a faca como se levasse um choque, andou de um lado para outro no trailer com as mãos na cabeça, deu um grito agudo, desesperado:

–  Merda o que foi que eu fiz?

Ele já não se mexia mais, estava deitado meio de lado com ambas as mãos no local onde antes havia seu pau.

Apenas 18 anos de idade, rica, bonita e agora assassina. Iria ser presa com certeza, talvez fosse morta na cadeira elétrica segundo as leis da califórnia; ou injeção letal, ou talvez pegasse prisão perpétua o que seria pior: passar a vida inteira presa, sem poder fazer compras, ir pro salão fazer as unhas, pintar o cabelo, usar maquiagem, que horror. Foi em direção a sala, pegou o celular de dentro da bolsa.

Alguns minutos depois um rolls royce preto parava ao lado do trailer, desceram um segurança do tamanho de um armário com cara de Terry Crews e um senhor mafioso, de terno de alta costura, aquele tipo de empresário que é dono de metade de Los Angeles e explora trabalho infantil em alguma parte da Ásia sem a menor crise de consciência. O velho fazia cara de nojo o tempo todo, entrou no trailer e viu sua filha mais nova sentada em um banquinho, paralisada, olhando pra frente, robótica. Deu uma olhada no interior do trailer, caminhou na direção do quarto, viu o presunto em cima da cama, tomou cuidado para não sujar os sapatos de couro legítimo de crocodilo; voltou-se para sua filha, deu uma boa olhada nela, andou de um lado para outro pensativo. O Terry Crews esperava do lado de fora do trailer com a arma na mão. O velho mafioso então tirou os óculos, guardou-os no bolso do terno com a maior calma, deu um suspiro de decepção, e com a maior classe deu-lhe uma bofetada grandiosa, de mão aberta, acertando em cheio a bochecha esquerda. Pegou-a pelos ombros e a chacoalhou fortemente.

–  Olha aqui sua putinha de merda foi pra isso que eu te criei?  Ham? Pra ficar andando em esgotos com  pé rapados, viciados em crack? Ham? – Mais uma bofetada – Cai fora da minha frente.

Ela saiu chorando e entrou correndo no carro. O velho mafioso saiu do trailer limpando as mãos e o terno. Colocou os óculos novamente, parou próximo ao carro, fumou um charuto cubano tranquilamente enquanto o Terry entrava no trailer e terminava o serviço. Umas luvas pretas, o tubo de gás do trailer e um fio desencapado foram suficientes para mandar tudo pelos ares e não sobrar nada pra esclarecer a história do californiano eunuco encontrado carbonizado no trailer.

 

Eunuch Californian

By

Preston Kulllingher

I’m tired of fucking you, he said.
Slammed the trailer door and left aimlessly, leaving her crying sitting on the edge of the bed. Searched for cigarettes in his pockets and found none which made him more impatient and nervous. He cursed the wind and the surrounding trees on fury. He wanted to return to the trailer, but she was still there and he didn’t want to see her crying it gave him a strange feeling. She had tired of crying, had wiped her tears on the bedspread, drank a shot of tequila in a dirty glass, straightened her hair, took a deep breath, and left. She passed him without looking; He sitting on the grass, resigned, watching her pass, shouted:

Go, Go, go away, leave me alone, you fucking whore. I want to fuck new meat.

She cried even more at listened and hurried on. Desire the death for that rat.
Something made him act like a despicable human being as soon as he began to build good feelings for someone or something, he immediately wanted to destroy. So he lived in an old dirty trailer near an old tile factory and a scrub; With nothing inside, just a few cigarette packs scattered on the floor, a bottle of drink inside the refrigerator. Clothes had few. How could a caucasian blonde West Hollywood young girl, raised in the highest luxury, get involved with a guy like him? He was ugly, skinny and unshaven, had bizarre tattoos on his arms, smelled of cheap Mexican cigarettes and tequila. He earned some money by washing cars in a jet launder, spent everything with drinks, cigarettes, billiards and whores.
She came back at nightfall but he wasn’t, had gone to the bar playing billiards. She waited for him inside the trailer where a sex odor mingled with cigarettes and ashes. She lay on the bed in her transparent silk gown getting drunk with the scent of her man. The excitement had been taking hold of her then she began a fast and strong masturbation, sweated, moaned loudly, there was no neighborhood to listen to her; Fast, Fast, up and down, fingers on frantic movements, she was literally fucking herself. Then stopped, exhausted. The adrenaline going down, thoughts slowly returning, she looked at herself in the mirror, it was almost poetic, a Buckowiskyan poetry.
He came staggering and drunk, could barely stand upright. He opened the door with difficulty, went in, and fell on the bed. She looked at him in a sigh, came slowly, climbed up, spread her legs, brushed a little, started a cavalcade; He muttered meaningless, flaccid cock, she struggling for an erection on the other side but nothing, in the heat of the emotion of that embarrassing attempt at pleasure, he says:

– Denise

A tear ran down. Wasn’t her name.
She got up and went to the kitchen, took a loaf of bread, returned the same position she was galloping a few seconds ago.

– “If it’s not all mine, it will not be anyone’s either.”

With a quick and unswerving movement she cut the penis. A loud wolf howl through the night, blood spilled on the bed and she with the cock in her hand stepped out of the trailer and threw it away in the thicket.
It was done, she had cut the instrument that had so often given pleasure. The blood flowed and he moaned, he didn’t have the strength to get up, he was too drunk. He would bleed to death and she knew it, and just stared at it, devoid of action, without feeling, holding the bloodied knife watching that filthy beast thrashing like a slaughtered chicken.

– What did you do, bitch?
– Say my name?
– “Ohh … God …” – He moaned loudly, sobbing in pain.
– Say my name disgusting pig.
– Ooohh … help me … help, I’m dying.
– Who’s Denise? – she shouted – The impassivity of before had become a feeling of pure hate.

He struggled with convulsions on the blood-soaked bed, his hand where the symbol of his manhood had once been, his gaze petrified, the result of body shocking state.
She came around. Looked at the mirror that was in front of the bed, it was beautiful if it wasn’t tragic, she had become a murderer. Dropped the knife, paced the trailer with his hands on head, gave a sharp desperate shout:

– Shit! What did I do?”

He did not move anymore, he was lying half on the side with both hands where his cock had once been.
Just 18yo, gorgeous, rich and now murderess. Definitely going to jail, perhaps killed in the electric chair under the laws of California; Or lethal injection, or maybe she would be sentenced to life imprisonment, which would be worse: to spend his entire life in prison, unable to shop, go to the salon to have your nails done, blow dry one’s hair, to makeup, get a skin-buffing treatment, what horror. She went to the living room, took the cell phone from the bag.
A few minutes later a black rolls royce stopped beside the trailer get down a big security that looks like Terry Crews and a mafia boss in a couture suit, that kind of businessman who owns half of Los Angeles and exploits child labor in some part of Asia without the slightest crisis of consciousness. The old man made a face of disgust all the time, got into the trailer and saw his youngest daughter sitting on a stool, paralyzed, looking forward, robotic. He glanced inside the trailer, walked toward the room, saw the ham on the bed, took care not to soak the shoes of legitimate crocodile and turned to his daughter, took a good look at her, paced thoughtfully. Terry Crews was waiting outside the trailer with a gun. The old then took off his glasses, put them in the pocket of his suit with the utmost calm, gave a sigh of disappointment, and a pretty open-handed slap that striking her left cheek full. He took her by the shoulders and shook pretty hard.

– Look at me you fucking little shit, is that what I brought you up for? Hm? To be walking in sewage with rats, crack addict? Hm? – One more slap. – Get out of my way.

She came out crying and ran in the car. The old left the trailer cleaning his hands and suit. He put on his glasses again, stopped next to the car, smoked quietly a Cuban cigar while Terry finished the service. Black gloves, the trailer gas tube, and a bare wire were needed to blow up everything and nothing remains to explain the story of the Californian eunuch found charred in the trailer.